Seríamos nós os protagonistas do Mito da Caverna?

black mirror fifteen million merits

Imagine o cenário. Vivemos em um cenário pós-moderno. Trabalhamos, pagamos contas, nos divertimos, fazemos compras e aprendemos através do meio virtual.

Já substituímos o homem pela máquina, criamos celulares, tablets, chips e cada vez essa tecnologia vai se expandindo em grande quantidade. Estar conectado à internet se tornou uma necessidade para a maioria das pessoas na sociedade atual. Mas será que estamos vivendo nossa vida do jeito certo? Como a tecnologia da informação afeta nosso comportamento humano?

Podemos comparar facilmente os dias de hoje com a “A alegoria da caverna” do filósofo Platão. O conto narra a vida de prisioneiros que desde pequenos foram acorrentados a uma caverna. Eles não conseguem se mover devido às correntes que os deixam imobilizados, além de estarem de costas, sendo possível ver somente a parede e a única iluminação do local, que é uma fogueira. Por ali passam várias pessoas, mas a parede oculta a visão real e apenas projeta as sombras vistas por eles.

Certo dia, um prisioneiro consegue escapar da caverna, se deparando com algo totalmente fora do que estava acostumado. Ele contempla a verdadeira realidade, e como o mundo e os seres que o habitam realmente são.

Ele volta à caverna para contar o que havia descoberto aos seus companheiros, porém, eles não acreditam no seu testemunho, já que pra eles a verdade absoluta é a sua percepção de dentro da caverna.

Soa familiar?

O mito da caverna retrata como nós somos prisioneiros e facilmente vislumbrados com uma noção deturpada que a tecnologia nos dá. A pessoa por trás do perfil no Instagram pode não ser quem você imagina. A notícia compartilhada em redes sociais talvez não seja verdadeira. O produto que você vê no anúncio de TV talvez seja mais prejudicial do que você imagina.

A caverna se tornou diferente. Agora ela tem Televisão, Wi-Fi e celular.

 

Anúncios

Onde Está Wally no seu Google Maps

image.png Em meio ao caos das grandes cidades brasileiras nunca deixamos de nos ater à algum app para que possa nos auxiliar nas nossas atividades do dia a dia. Seja algum dos vários aplicativos de transporte, ou então, aquele aplicativo de delivery que facilita a vida de todos nós na correria do horário de almoço.

Pensando nisso, o Google entrou nas brincadeiras de 1º de Abril e buscou inovar a experiência do usuário nesse dia em que todos tentam de alguma forma pregar uma peça nos amigos.

Trata-se de um jogo dentro do aplicativo Google Maps, em que Wally pode ser encontrado em pontos famosos das cidades. O usuário tem cerca de uma semana para finalizar o jogo, onde além de Wally, tem a possibilidade de encontrar os outros personagens da história.

O primeiro local onde o personagem aparece é na Cordilheira dos Andes, no Chile. Após encontrá-lo, o app dá mais dicas para o próximo lugar onde o homenzinho de camiseta listrada estará, ficando cada vez mais difícil à cada nível.

Por fim, no último nível  o próprio Wally dá uma dica de onde estará, mas sem compartilhar sua localização.

Vão aceitar o desafio galera? Contem pra gente!

Uma sociedade conectada (até demais)

Segundo dados do IBGE em 2016, aproximadamente 116 milhões de brasileiros conectam-se à internet. Isto demonstra o poder das tecnologias em nossas vidas. Ter 64,7% da população brasileira acessando a internet é uma porcentagem extremamente significante e que nos mostra o quão conectados e interessados estamos nas tendências tecnológicas. Entretanto, a intensidade dessa conexão pode afetar nossas vidas negativamente e tornar rotinas menos produtivas e mais dependentes dos gadgets que nos permitem acessar à internet.

E você? Se considera conectado demais?

Seremos “Tão Black Mirror”?

tao black

Um dos maiores sucessos recentes da plataforma de streaming Netflix, Black Mirror, aborda o impacto da tecnologia na vida dos seres humanos em um futuro não tão distante. As atitudes “bizarras” e “nonsense” que os personagens são capazes de tomar pelo acesso às tecnologias e o que isso os proporciona, retratam uma maneira de agir um tanto utópica para nós atualmente. O roteiro dos episódios repletos de reviravoltas e situações inesperadas envolvendo o uso de tecnologias fez com que os temas virassem bordão entre os jovens brasileiros e tendência nas redes sociais. Mas afinal,  tudo isso é mesmo “tão Black Mirror” ou tão nosso futuro?

E vocês, o que acham?